5 de março de 2013

Tempo psicológico

A aula termina 12:30. Quando eu voltei do recreio, às 10 horas, passaram-se umas 5 horas e ainda são 11:50. Não é possível, aquele relógio deve estar quebrado. Ninguém mais reparou que a aula simplesmente está demorando demais? O professor já escreveu umas 5 páginas no quadro pra copiar, já explicou a matéria inteira, já fez as piadinhas sem graça de sempre, já fez a chamada e a aula nem está perto de acabar. Faltam 40 minutos. O que fazer em 40 minutos? Resolvo começar um desenho. O que eu posso desenhar? Não sei. Faço uns rabiscos e começo a desenhar uma menina brincando num parque. Tenho todo o cuidado de fazer os detalhes da trança dela, cobrir todo o seu vestido com uma estampa xadrez, desenhar a sombra de todos os objetos no chão, cobrir a cara dela de sardas, todos os detalhes possíveis e imagináveis. E, depois de meia hora fazendo isso, são 11:56.
Não é possível, não é possível!! Eu passei meia hora desenhando, no mínimo. E só se passaram 6 minutos, 6 minutos intermináveis e arrastados. O tempo está brigando comigo. Encaro o relógio para ver se ele fica com medo e resolve andar mais rápido. Não funciona. Fico mais um bom tempo de bobeira. 11:58.
Vou fazendo umas marcas no fim do caderno. 12:00, 12:05, 12:10, sempre de 5 em 5 minutos até chegar 12:30. Conforme o tempo passar, vou riscando. E o que eu posso fazer nesse tempo todo?
Resolvo ser uma boa aluna e fazer o exercício que o professor mandou. Página 46, exercícios 1 a 8. Fico uma boa meia hora só quebrando a cabeça para fazer o 1. Confiro a resposta: errei. Tento de novo. Erro de novo. Tento de novo e acerto. Devem ter se passado uns 20 minutos. Mas são 12:03, apenas. Exercício 2. Mais fácil que o primeiro. Finalizo-o 12:04. Espero mais um bocadinho. É 12:05. Estou com preguiça de fazer mais exercícios. Pego o celular da bolsa e fico jogando um joguinho. Eta joguinho entediante. Muito chato. É deprimente que eu precise jogá-lo para me entreter. No entanto, ele deve fazer 5 minutos passarem rapidinho. Mas ainda é 12:07. Quando vou guardar o celular para voltar a fazer o exercício, recebo uma mensagem. Opa!
É de um número desconhecido. Leio a mensagem: "aposto q vc não sabe qm ta falando". Respondo "não, qm é?" e, antes de guardá-lo, dou uma boa olhada pela sala inteira para ver quem está mexendo no celular. Afinal, a pessoa misteriosa pode estar dentro da sala. Assim que eu vou fechar o zíper, meu celular brilha de novo anunciando outra mensagem. Está escrito: "adivinha".
Impossível, não vi nenhum colega mexer no celular a aula inteira. Todos os possíveis suspeitos estão fazendo o exercício compenetrados, e alguns estão dormindo na carteira. Ah, não, dessa vez vou ficar de olho. Respondo algo como "diz logo qm vc é", guardo o celular e olho atentamente para a sala toda. Ninguém se mexe, o celular de ninguém apita. A pessoa pode nem ser meu colega, afinal. Pode ser o meu vizinho, ou alguém de outra turma. Vou me contentando com essa ideia, até que uma pessoa pega o celular. É um garoto que vive implicando comigo, fura a fila da cantina na minha frente e essas coisas. E, logo atrás dele, outra garota também começa a mexer no celular - a garota que me passou cola na última prova. Qual deles será? Espero a mensagem chegar. Ela chega. "to no mesmo lugar q vc agora, ja sabe qm é?". Não, agora eu não sei! Os dois não param de mexer no celular, pode ser qualquer um deles. Mas logo, logo eu vou descobrir, pois ainda tenho muito tempo de aula, afinal são... 12:27?? O quê, mas já??????? E aquele tempo que demorava tanto para passar, o que houve com ele? Ah, não, agora eu quero voltar no tempo e descobrir logo quem me mandou aquilo. Os dois continuam a mexer no celular. Não respondo a mensagem, espero um deles fazer uma expressão facial que demonstre preocupação. Mas nenhum deles faz. Pelo menos ainda tenho 3 minutos... o quê, já são 12:28? Dois minutos... se passa um segundo e já são 12:29... se passam 5 segundos e já é 12:30. A aula acabou, os dois guardam o celular e continuam com cara de despreocupados. E então eu ligo para a pessoa que me mandou a mensagem. Ela não atende.
Subo no ônibus. São 12:35. Se passam umas duas horas ali dentro, e eu pensando quem será que foi o bendito que escreveu a mensagem. Se passam umas três, quatro horas. Mas o ônibus nem dobrou a rua e ainda são 12:38.

2 comentários:

  1. Eita menina, e depois diz q nãoe screve bem! foi muuuito legal esse texto, serio, mto cirativo.
    e é bem verdade que a gente passa o tempo bem diferente cada um de cada um, e a aula demora séeeculos! haha ai qdo estmaos interessados em algo apssa trapidinho, como o inyervalo fland ocm os amigos rasrrsr
    lamourmonage.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. kkkkk eu achei engraçado e deu vontade de ler ate o final coisa que poucos textos conseguem,o tempo brinca com agente mesmo,quando ta bom passa rapido agente nem ve quando ta tediante demora um seculo.
    Flor criei um novo blog se você quiser e puder dá uma passadinha lá e deixe seu comentário,se puder também segue vou ficar mega feliz ^-^.
    Beijos,
    http://ossegredosdeisa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seu recado é muito importante!
Qualquer que seja sua mensagem, vou ficar muito feliz em saber o que você gostou e o que eu posso melhorar.
Obrigada! (: